Arquétipos

Mais uma vez, o campo do marketing se mistura com a psicologia!

É claro que compreender o consumidor, sempre foi considerado fundamental – mas acredito que nos últimos anos a necessidade de engajamento do consumidor tem impulsionado a busca de novos caminhos e estratégias. Hoje, não basta influenciar a compra do produto/serviço; o desafio do marketing está conquistar, engajar e manter uma relação de qualidade com os consumidores.

Sabemos que a publicidade tradicional não tem mais esse efeito. Estima-se que, apenas nos EUA, há investimento de mais de $210 bilhões por ano em publicidade, 96% das pessoas não considera publicidade como o canal confiável/relevante para informações de marcas, segundo Harris Interactive.

Captura de Tela 2016-01-21 às 23.02.44

Cada vez mais as marcas precisam se aproximar e criar empatia com o consumidor e para isso é preciso sair do discurso corporativo e contar uma história que faça sentido, que envolva e que engaje o consumidor. Segundo Richard (2000), “novas histórias que prendam a atenção do público sempre tem uma característica arquetípica”. Comprovando isso Flávio Cordeiro faz um análise interessante sobre o casamento real britânico, estima-se que o acontecimento foi assistido por mais de 2 bilhões de pessoas e gerou cerca de US$ 3 bilhões para economia britânica, superior ao gerado pelas Olimpíadas de Londres. “O fato é que desde tempos remotos, reis e rainhas, duques e duquesas e o casamento do nobre com a plebéia fazem parte de nosso arsenal arquetípico primordial.”

412-willkate.jpg
Cinderela dos contos de fada x Cinderela vida real

O conceito do arquétipo além da narratologia e da psicologia também está presente na filosofia; Platão e seus seguidores já estudavam certos modelos como “matrizes psíquicas de formas elementares que sustentavam a realidade material”. Na Grécia antiga, a mitologia também estava ligada à deusas e deuses com traços arquétipos.

Fica claro que certos padrões, mitos e personagens nos envolvem como sociedade. Portanto, uma das ferramentas para buscar tornar as marcas mais humanas e próximas, é justamente compreender os arquétipos e seus impactos em todos nós.

jng.jpg

O conceito dos arquétipos foi instituído por Carls Gustav Jung; um psiquiatra suíço, fundador da psicologia analítica. Trabalhou em diversos projetos com Freud, porém os dois acabaram rompendo a parceria por discrepâncias ideológicas. (Pra quem interessou, o filme A Dangerous Method retrata o relacionamento entre ambos – e tem no Netflix!)

Entre outros pontos, Freud acreditava no inconsciente pessoal; ou seja, está no meu inconsciente é o que de fato eu que vivi e reprimi, sentimentos os quais se manifestam em sonhos, atos falhos e sintomas psíquicos.  Para Jung, o inconsciente não é apenas o que eu – como indivíduo – vivi; para ele;

“o inconsciente contém, não só componentes de ordem pessoal, mas também impessoal, coletiva, sob a forma de categorias herdadas ou arquétipos. Já propus a hipótese de que o inconsciente, em seus níveis mais profundos, possui conteúdos coletivos em estado relativamente ativo, por isso o designei inconsciente coletivo” (JUNG, p. 127)”.

O inconsciente coletivo, é, segundo ele, a camada mais profunda da psique humana, comum à todos nós, justamente onde habitam os arquétipos.

Em tempo!

Estereótipo não é o mesmo que arquétipo. O arquétipo designa uma modelo essencial, um padrão existente na sociedade. Já o estereótipo, são os comportamentos ou características esperados de alguns os modelos sociais. Um exemplo comum é – arquétipo do Mago tem o estereótipo de “senhor idoso com as barbas longas” – é a característica esperada, mas não o modelo essencial.

arquetipos.jpg
Os 12 arquétipos, segundo Margaret Mark e Carol S. Pearson

Margaret Mark e Carol S. Pearson apresentaram em seu livro O heroí e o Fora-da-lei  os chamados 12 grupos arquétipos principaisclaro, há outros teóricos que afirmam 26, ou até mesmo 100 arquétipos, mas vamos focar na definição de Mark e Pearson por aqui, sendo a mais amplamente aceita e aplicada. 

Basicamente o arquétipo serve como uma personalidade – um modelo de personagem  comum a todos nós – no qual as marcas usam como artifício para se comunicar e posicionar com uma comunicação personificada. Essa apropriação de personalidades já claramente associadas em nossa psique, torna mais fácil a assimilação e o engajamento com o público.  Por meio dos arquétipos, marketing consegue atingir o senso de reconhecimento e significado, se apropriando de motivações humanas e comuns a todos nós. 

Para exemplificar, o caso do Itaú – com o posicionamento de marca está ligado ao arquétipo do Prestativo.

prestativo.jpg

Prestativo
Lema: “Ama o teu próximo como a ti mesmo”
Maior desejo: proteger os outros do mal
Maior medo: egoísmo, ingratidão
Estratégia: fazer coisas pelos outros
Dons: compaixão, generosidade

O Prestativo é um altruísta, movido pela compaixão, pela generosidade e pelo desejo de ajudar os outros. Ele teme a instabilidade e a dificuldade, não tanto por si mesmo, mas pelo impacto sobre as pessoas menos afortunadas ou menos resistentes aos choques.

Para o Prestativo, considera-se eficaz o marketing que leva em consideração as inquietações do consumidor direcionadas aos outros. O cliente, neste caso, deve ser exposto como tendo preocupações com os demais, e o produto deve auxiliá-lo no sentido de demonstrar maior empenho e fornecer grande facilidade de ação.”

Com este perfil, é comum que o arquétipo do Prestativo esteja ligado à grande maioria dos prestadores de serviço, especialmente instituições onde é crucial a confiança no negócio, como o caso das seguradoras e dos bancos.

A comunicação do Itaú se sustenta no arquétipo desde seu slogan à suas mais variadas campanhas; a habilidade de permanecer coerente em diferentes canais e momentos fortalece a mensagem e a veracidade do personagem que se preocupa com o bem estar das pessoas. 

andando-de-bicicleta-no-rio
Bicicletas do Itaú: pioneiros no Brasil, em 2011 o Itaú instalou diferenças estações nas principais cidades do país onde se poderia alugar por hora bicicletas, incentivando a sustentabilidade e o bem estar.  Uma marca prestativa com a população.

As diversas campanhas da companhia tem conseguido comunicar o mesmo arquétipo em diferentes contextos – seja uma campanha institucional de apelo emocional como Garotinha, a nova campanha do Itaú Digital com um linguagem dinâmica e objetiva e até mesmo a mensagem de final de ano de 2016“Itaú Digital mas pessoalmente feito pra você”.

Assim como Itaú, Mark e Pearson também trazem outros exemplos de marcas e seus respectivos arquétipos, detalhados abaixo.

archetypen11.png

É possível, ainda, vincular mais do que um arquétipo à marca, porém sempre mantendo um arquétipo dominante.

De acordo com Jung, trabalhar com arquétipos é como “ancorar algo no subconsciente da humanidade.” A avaliação de qual arquétipo deve ser instituído por cada marca deve transcorrer as conhecidas análises de posicionamento de marca, para, aí sim, emitir a a mensagem apropriada – muitas vezes em formato de storytelling.

Captura de Tela 2016-01-22 às 20.46.06.png

A análise da concorrência é fundamental e pode atuar como importante fator de diferenciação. Geralmente o arquétipo dominante no setor é comum a diversos competidores e identificar como se beneficiar e atuar estrategicamente com a apropriação um novo perfil arquétipo pode movimentar o mercado.  No livro, as autoras Marks e Pearson abordam o caso do mercado de café, onde é muito comum o arquétipo do Prestativo. Neste contexto, a General Foods e, posteriormente, Starbucks passaram a atuar com arquétipo Explorador – que tem como objetivo uma vida mais autêntica – incentivando a experimentação de novos cafés e trazendo uma nova proposta de valor ao ambiente competitivo.

Os arquétipos são uma profunda ferramenta para estrategistas e marketeiros. Porém,  antes de tudo, é importante reforçar  que “as melhores marcas arquetípicas são, em primeiro lugar e acima de tudo, produtos arquetípicos criados para preencher e incorporar necessidades humanas fundamentais”. (Mark Batey)

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s